Inscreva-se aqui e receba nossas notícias por e-mail.

Esporte

 
 
JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016: os fatos da copa do mundo se repetirão?
*Por Lucas Vinhas

BANNER

 

Os Jogos Olímpicos são um grande evento internacional em que milhares de atletas participam de várias competições. Creio que a cidade do Rio de Janeiro dispensa comentários sobre sua caracterização, talvez pela forte influência exercida pelo Grupo Globo através dos seus diversos meios de comunicação em massa. Quero, com esse artigo informal, instigar você caro leitor a pensar em conjunto comigo acerca dos resultados acabados da copa do mundo, se eles estarão prestes a ocorrer mais uma vez nos jogos olímpicos do Rio de Janeiro em 2016. Recentemente, fui fazer a prova do Mestrado em Geografia da Universidade Federal da Bahia em Salvador e, na volta, o ônibus da Águia Branca parou 30min em Santo Antônio de Jesus para fazermos um lanche na Lanchonete e Restaurante Tedesco. Quando estava lanchando, percebi no balcão que a Revista Auge (2014, ano 2, número 8), a qual custa R$ 9,90, estava disponível para nós gratuitamente. Após lê-la toda durante a viagem, percebi o real motivo disso. Ao final dessa, mais exatamente na página 106, temos um informativo escrito por Rafael Lopes, fotos de Almir Jr., sobre esse restaurante santoantoniense que recebeu certificado ABNT. Porém, o que realmente me instigou a escrever essas breves palavras foi a opinião apresentada por Ávido Medeiros na página 93 da revista, coluna escrita com o título: “A COPA DO MUNDO ACABOU: que tal pensarmos em trabalhar?!”. Nessa, o autor faz uma crítica às mazelas que tivemos com a copa, desperta o leitor sobre o fato de que “a festa acabou” e que precisamos voltar a realidade cotidiana do trabalho e, ao final, exclama escrevendo que espera que todos os fatos apresentados por ele no texto não se repitam nas olimpíadas que vêm aí. Creio que esse texto se tornará relevante na medida em que você, leitor, possa, num futuro próximo, se inquietar e sair da sua zona de conforto quando recomeçar a observar as mazelas ocorrendo mais uma vez “de cima para baixo” por meio dos governos, e para não ficar de “braços cruzados” observando tudo acontecer, mais uma vez, sem fazer nada para reverter ou, no mínimo, minimizar esses problemas que, consequentemente, podem se tornar, também, problemas de ordem social. Há estreita relação entre esse texto e outros publicados na mesma área de conhecimento, tais como:
http://compos.org.br/encontro2014/anais/Docs/GT07_COMUNICACAO_EM_C
ONTEXTOS_ORGANIZACIONAIS/freitaslinscarmocompos2014belemdoparai_
2195.pdf


http://www.opiniaopublica.ufmg.br/emdebate/8_Maio_14_Dossie_Arthur_Leand
ro_final_Formatado1.pdf


http://www.scielo.br/pdf/urbe/v5n1/a07v5n1.pdf


http://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/2215/1/TudoOlimpicoDesmancha.pdf

Quando os jogos olímpicos começarem, tudo no Brasil voltará a sua anormalidade, como ocorreu na copa. O que vimos na copa foi uma farra do tamanho do mundo, com isenções fiscais sendo colocadas em prática, bebidas nos estádios sendo liberadas (eu, particularmente, não tenho nada contra isso), muito falatório impensado por parte dos governantes, etc. Vocês acham que nas olimpíadas será diferente?! Agora que a “poeira” da copa já abaixou, concluímos que em tempo algum se tomou a iniciativa de isentar de impostos o café, o feijão, o arroz, os sucos, as carnes bovinas etc., produtos que todos nós utilizamos diariamente, inclusive os menos favorecidos, afinal, o bolsa família, também, está aí para isso, certo?! As coisas aqui no Brasil, historicamente, foram feitas para beneficiar os grandes em detrimento dos pequenos. Tivemos um exemplo claro e gritante disso na copa. A toda poderosa FIFA, mandando e desmandando, e os governantes, “bestões”, dizendo amém a tudo o que os seus dirigentes desejavam. Parece que o desejo maior deles era que a seleção fosse campeã para “compensar” essas misérias que eles fizeram. Ainda bem que os planos deles deram “xabú” e os alemães levaram a taça. Resultado disso: muitos pobres chorando com pena dos milionários do futebol, chamando-os de coitadinhos. COITADINHOS DE NÓS! Por incrível que pareça, contradizendo a maioria das previsões, alguns dos estádios construídos para a copa não se transformaram em elefantes brancos. Nas cidades que os estádios foram construídos que não possuem times de futebol expressivos, os estádios estão sendo utilizados como pontos de venda de drogas e prostituição, ou seja, com utilidade para alguns. Temos, ainda, diversos fatos que já foram constantemente batidos, mas que não custa nada relembrá-los. A despeito do alto custo na construção dos estádios para a copa, com o superfaturado e bilionário valor gasto, centenas de hospitais e escolas se construiriam ao redor do país, colaborando para minimizar os problemas que temos na saúde e na educação, e não engordando ainda mais os cofres da FIFA, já bilionária. E, por incrível que pareça, ainda tem gente extremamente satisfeita com a realização da copa aqui, e ainda defende com “unhas e dentes” os mandos e desmandos que os governantes fizeram nos últimos anos para que a vaidade do ex-presidente Lula fosse concretizada com sucesso, “só que não”! Gastamos mundos e fundos e de nada serviu do ponto de vista social. Não me venham com meras desculpas quando os protestos voltarem! A inflação está voltando com toda a força, a energia e a água já estão mais caras, os reajustes das passagens coletivas já ocorreram, os impostos estão aumentando, etc. Uma prova, das muitas que ainda estão por vir, de que teremos umreplay” da copa nas olimpíadas, é o fato de já estarem sendo “recrutados” os alienados voluntários para as olimpíadas, através do site:
http://www.rio2016.com/voluntarios/ . Tem interesse?! É bom que todos relembrem que a FIFA (que faturou bilhões de reais), na hora de beneficiar alguém, utilizou o artifício de recrutar voluntários locais, dando-lhes apenas vale transporte, ticket refeição e um uniforme de quinta categoria. Com os governos do Rio não será diferente nas olimpíadas. Enfim, agora não adianta mais chorarmos pelo “leite derramado”, mas, podemos ficar olhando-o enquanto ele “sobe no fogo”, para podermos “desligá- lo” na hora certa para que não derrame. Tivemos protestos, copa, protestos, eleição e teremos mais protestos, olimpíadas, protesto e...?! Analisando os prós e contras que tivemos com a realização da copa aqui, o fato é que, indiscutivelmente, tivemos muito mais prejuízos do ponto de vista social, e contra fatos, não há argumentos! O “povão” continua sofrido, abandonado e grandemente desiludido com aqueles que decidem por ele sem qualquer discussão mas que, no fim de tudo, é quem paga a conta, literalmente. Os fatos ocorridos na copa se repetirão nas olimpíadas. Portanto, preparem as malas e vamos para o Rio! Afinal, é muito mais fácil e cômodo curtimos a anormalidade do que lutar pela normalidade.

LUCAS

*Jean Lucas Vinhas Medeiros 

Especializando em Ensino de Geografia pela Uesc. Graduado em Geografia pela Uesc. Voluntário PET (Programa de Educação Tutorial) - PET Solos: agregando saberes.

Lattes: http://lattes.cnpq.br/4531440822192799

 

 

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player