Inscreva-se aqui e receba nossas notícias por e-mail.

Geral

 
 
TJ-BA ganha selo ouro do CNJ, pela primeira vez; TRE também leva ouro e TRT, prata
Fonte: Bahia Noticias

e

Pela primeira vez, o Tribunal de Justiça da Bahia ganha o Selo Ouro Justiça em Números, premiação concedida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para os tribunais que se destacaram por sua excelência em gestão da informação e da qualidade da prestação jurisdicional. O Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) também ganhou o selo ouro e o Tribunal Regional do Trabalho da Bahia (TRT-BA) ganhou o selo prata. O resultado do prêmio aconteceu nesta segunda-feira (20), dentro da programação do XI Encontro Nacional do Poder Judiciário, que acontece em Brasília. Para a presidente do TJ-BA, desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago, o prêmio representa o reconhecimento de todo o esforço realizado para melhoria da prestação jurisdicional no tribunal baiano. "Estamos muito felizes com essa premiação. É o reconhecimento de nosso trabalho, colocando o TJ-BA no lugar que ele merece", afirmou. Segundo o secretário de Planejamento do TJ, Igor Caires, o selo representa a capacidade que o tribunal tem de controlar e informar seus dados, assim como de promover a gestão estratégica. A meta do TJ-BA é alcançar no próximo ano o selo diamante, que já foi recebido pelo TRT-BA em 2016. Neste ano de 2017, o selo diamante foi conquistado pelo TJ de Sergipe, pelo TRE do Pará, pelo TRT de Goiás e pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). O selo foi criado em 2004 e possui as categorias de diamante, ouro, prata e bronze. Entre as exigências para recebimento do Selo Justiça em Números 2017 está ainda a implantação, pelos tribunais, de núcleos socioambientais, conforme previsto na Resolução CNJ n. 201, de 2015, que determina aos órgãos do Poder Judiciário a implementação do Plano de Logística Sustentável (PLS) para reduzir o impacto ambiental de suas atividades. A norma tem por objetivo fazer frente as dificuldades de funcionamento de varas, cartórios e outros órgãos da primeira instância, devido ao volume excessivo de ações para julgar e ao déficit de recursos materiais e humanos.

 

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
mais notícias....